CNM alerta para PL que inclui guardas municipais ao Sistema Nacional de Trânsito


Incluir as guardas municipais no Sistema Nacional de Trânsito (SNT) e atribuir competências relativas a atuação no trânsito é o que propõe o Projeto de Lei (PL 5.805/2013). O texto, em tramitação no Congresso Nacional, destina aos guardas municipais a atividade de executar a fiscalização de trânsito, autuar e aplicar as medidas administrativas cabíveis, por infrações de circulação, estacionamento e parada previstas no Código Brasileiro de Trânsito (CBT).

O PL estabelece ainda a atribuição aos guardas para fiscalizar, autuar e aplicar as penalidades e medidas administrativas cabíveis relativas a infrações por excesso de peso, dimensões e lotação dos veículos. De acordo com o parecer do projeto, o prazo para enquadrar as funções às Guardas Municipais é de quatro meses, a partir da entrada em vigor da norma. Isso, por considerar a necessidade de ajustes da máquina administrativa municipal.
Para a Confederação Nacional de Municípios (CNM), o texto não se adequa a realidade das prefeituras. E se equivoca ao comparar as guardas à Polícia Rodoviária Federal já atua como órgão executivo rodoviário da União e não como agente isoladamente. No caso das da Polícias Militares, o CBT permite aos Municípios e aos Estados celerabrarem convênios para receberem suporte, mas a corporação é autônoma em suas funções.
 
CNM esclarece
A área técnica de Trânsito e Mobilidade da CNM analisou o projeto, e esclarece que em Municípios de pequeno porte não se justifica a criação e manutenção de quadro de servidores exclusivo para tal atividade. Nesses casos, recomenda-se a realização de convênio com as polícias militares para garantir eficiência e segurança aos usuários da via.
Pref. de MaceióA Confederação alerta ainda que para cumprir seus encargos os Municípios terão de possuir quadro de pessoal técnico que envolve diversas áreas sendo a fiscalização de trânsito apenas uma delas. Assim, quem deve se integrar ao Sistema é o órgão municipal, como um todo, e não apenas um segmento dele. O mesmo ocorre com relação aos Detrans e aos Departamentos de Estrada e Rodagem (DER), onde são estes órgãos que se integram ao SNT e não os seus agentes isoladamente.
 
Agravante
Outro agravante, conforme analise da entidade, é que o PL prevê à possibilidade de as guardas municipais aplicarem penalidades. Porém, isso é uma responsabilidade da autoridades de trânsito e não de seus agentes – independe do níveis de governo. O próprio CTB estabelece mecanismos de equilíbrio das relações dentro de um processo administrativo onde o agente autua, a autoridade penaliza e as Juntas Administrativas (Jari) julgam eventuais recursos.Qua, 26 de Fevereiro de 2014 17:56 Agência CNM

2 comentários:

Anônimo disse...

Isso não existe, os que conheço já são folgados por natureza e já tentam usurpar a função dos ag de trânsito imaginem se essa lei for aprovada.

eilson sac disse...

Qualquer funcionário público municipal pode ser agente de trânsito basta fazer um curso de trânsito e pronto. Aqui em Natal-RN é assim, tem coveiro, porteiro, auxiliar de cozinha e todo tipo de função que vieram para a SEMOB secretaria de mobilidade urbana se tornar um AGENTE DE TRÂNSITO. O salário atraiu varias categorias aqui o base é 2375,00 com algumas gratificações fica em torno de 3200,00 inicio de carreira temos plano de carreira.

Postar um comentário